Página Inicial Notícias Desafio da acentuação – Professoras criam jogo de tabuleiro para testar conhecimento de alunos

Notícias

14 DEZ

imagem de capa Titulo

Desafio da acentuação – Professoras criam jogo de tabuleiro para testar conhecimento de alunos

Ensino Fundamental II

Uma dissertação de mestrado intitulada “Acentolândia: criação e aplicações de um jogo de regras sobre acentuação gráfica para séries iniciais do ensino fundamental”, do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual de Maringá-PR, foi inspiração para a Luciana Faria Azevedo elaborar um jogo de tabuleiro para alunos do 6º ano do Ensino Fundamental do Colégio Santa Catarina (CSC).  Ela, professora de Produção Textual, compartilhou a ideia com a colega Patrícia Ribeiro, de Língua Portuguesa, e juntas criaram a versão do jogo batizada de “Desafio da Acentuação”.

Imagem

Qual o objetivo de propor uma atividade assim para os alunos? 

PROFESSORAS > O nosso objetivo, ao propor uma atividade como essa aos alunos, era o de despertar neles o interesse pelo estudo das regras de acentuação gráfica e divisão silábica para aplicação e fixação desse conhecimento, estudado nas aulas de Português e Produção Textual, no sexto ano, de uma maneira lúdica e prazerosa.  

Qual é a dinâmica do jogo? 

PROFESSORAS > No jogo de tabuleiro “Desafio da Acentuação”, os jogadores têm um trajeto no tabuleiro para percorrer. O jogador avança as casas no tabuleiro de acordo com o número indicado no dado lançado por ele. Cada casa no tabuleiro possui uma cor que corresponde a uma ficha com uma pergunta sobre a divisão silábica e regras de acentuação gráfica das oxítonas, paroxítonas e proparoxítonas. Um jogador deveria ler a pergunta para o outro e verificar se a resposta estava correta (a ficha com pergunta já apresentava a resposta para a conferência). Além disso, o tabuleiro também apresentava casas com benefícios (Ex: Avance uma casa, jogue outra vez) ou penalidades (Ex: Não jogue uma rodada, volte uma casa). No processo de confecção do jogo, gostaríamos de destacar o auxílio dos colaboradores do setor de Tecnologia e Comunicação, Ronald Varandas e Leonardo Tófoli, que foram os responsáveis pela diagramação do tabuleiro e das fichas de perguntas, além da impressão do material. 

Como foi a repercussão? As turmas gostaram? 

PROFESSORAS > A repercussão entre os alunos foi bastante positiva, eles ficaram empolgados com a proposta do jogo. Foi perceptível que eles se divertiram e se empenharam, estudando o conteúdo de Língua Portuguesa para que pudessem ter um bom desempenho no jogo. 

Houve algo que surpreendeu vocês? Algum depoimento de aluno? 

PROFESSORAS > Os alunos dividiram-se em pequenos grupos para jogar e nós ficamos monitorando. Percebemos que um colega ajudava e/ou corrigia o outro, assim, eles tiveram a oportunidade de aprender uns com os outros, além de exercitar o espírito de competição saudável, respeito e colaboração. Alguns alunos manifestaram a vontade de jogar novamente em outra aula.  

Vocês acreditam no lúdico como ferramenta de aprendizagem? 

PROFESSORAS > Atividades lúdicas são uma boa ferramenta de aprendizagem, principalmente para alunos com a faixa etária daqueles que estão no sexto ano. Estratégias lúdicas de aprendizagem aproximam ainda mais o aluno do conhecimento, despertando nele o interesse pelo conteúdo e a satisfação de aprender, associando métodos tradicionais a uma ferramenta lúdica. 

Pretendem aperfeiçoar o jogo para o ano que vem? 

PROFESSORAS > Em 2018, pretendemos aperfeiçoar alguns detalhes no tabuleiro e nas regras do jogo para que nossos alunos possam desfrutar ainda mais dessa atividade. 

"O jogo da acentuação foi um projeto que nasceu ainda no primeiro semestre de 2017. Percebíamos a necessidade de trabalhar os conteúdos relacionados às regras de acentuação de modo mais eficaz e que, sobretudo, favorecesse a internalização dos conhecimentos por parte dos discentes. Eu visitei uma turma enquanto os alunos estavam jogando e foram nítidos o envolvimento e a empolgação dos estudantes com a proposta. À medida em que divertiam, aprendiam e muito!",  avaliou o coordenador de Português do CSC, professor Edson Munck.

Imagem   Imagem

* Outras informações, com a Assessoria de Comunicação do CSC, pelo telefone 2101-9867.

 

Colégio Santa Catarina © 2018 Todos os Direitos Reservados

Desenvolvido por: Logotipo Emedia